O planeta “Terra” da Próxima Centauri é realmente parecido com a Terra?

Por Ethan Siegel

Traduzido por Fabiano Campitelli

Há apenas 25 anos, os cientistas não sabiam se as estrelas – além do nosso próprio sol, claro – tinham planetas orbitando em torno deles. No entanto, eles sabiam com certeza que a gravidade de planetas maciços modificou o movimento do sol em relação ao centro de massa. Portanto, eles argumentaram que em outras estrelas teriam mudanças periódicas em seus movimentos se eles também tivessem planetas. Esta mudança no movimento conduziu primeiramente à detecção dos planetas em torno dos pulsares em 1991, graças à mudança no sincronismo que o pulsar causou. Então, finalmente, em 1995, o primeiro exoplaneta em torno de uma estrela normal, 51 Pegasi b, foi descoberto através da “oscilação estelar” de sua estrela-mãe. Desde então, mais de 3000 exoplanetas foram confirmados, a maioria dos quais foram descobertos pela missão Kepler da NASA usando o método de trânsito. Esses trânsitos só funcionam se um sistema solar for fortuitamente alinhado à nossa perspectiva; No entanto, sabemos agora que planetas – mesmo planetas rochosos à distância certa para água líquida em sua superfície – são bastante comuns na Via Láctea.

Em 24 de agosto de 2016, os cientistas anunciaram que a oscilação estelar de Proxima Centauri, a estrela mais próxima ao nosso sol, indicou a existência de um exoplaneta. Em apenas 4.24 anos-luz de distância, este planeta orbita sua estrela anã vermelha em apenas 11 dias, com um limite inferior à sua massa de apenas 1.3 terras. Se for confirmado, isso traria o número de planetas semelhantes à Terra encontrados nas zonas habitáveis de sua estrela até 22, sendo “Proxima b” o mais próximo. Apenas com base no que vimos até agora, se este planeta é real e tem 130% da massa da Terra, já podemos inferir o seguinte:

  • Recebe 70% da luz solar incidente na Terra, dando-lhe a temperatura certa para a água líquida em sua superfície, assumindo uma atmosfera semelhante à da Terra.
  • Deve ter um raio aproximadamente 10% maior do que o nosso próprio planeta, assumindo que ele é feito de elementos semelhantes.
  • É plausível que o planeta fique trancado em sua estrela, implicando um “lado claro” permanente e um “lado escuro” permanente.
  • E se assim for, então as estações neste mundo são determinadas pela excentricidade elíptica da órbita e não pela inclinação axial.

No entanto, as incógnitas são tremendas. Proxima Centauri emite consideravelmente menos luz ultravioleta do que uma estrela como o sol; A vida pode começar sem isso? As chamas e os ventos solares são muito maiores neste mundo; Eles tiraram a atmosfera inteiramente? O lado distante está permanentemente congelado, ou os ventos permitem a vida lá? Quanto ao outro lado cozido e estéril, apenas o ‘anel’ na borda seria potencialmente habitável?

Proxima b é um mundo vastamente diferente da Terra, e poderia variar de qualquer lugar de realmente habitada para completamente inadequado para qualquer forma de vida. À medida que os telescópios de classe 30m e a próxima geração de observatórios espaciais estiverem online, podemos descobrir! http://spaceplace.nasa.gov/barycenter/en/

october
A concepão de um artista sobre o exoplaneta Kepler-452b (Direita), um possível candidato para a Terra 2.0, em comparação com a terra (Esquerda). Crédito da imagem: NASA/Ames/JPL-Caltech/T.Pyle.A

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s