Estrelas escurecendo, plasma em erupção e belas nebulosas

Por Marcus Woo

Traduzido por Caroline Nascimento

 Com padrões intrincados e cores translúcidas, as nebulosas planetárias estão entre as mais belas paisagens do universo. Como elas obtiveram suas formas é complicado, mas os astrônomos pensam que resolveram parte do mistério— com bolhas gigantes de plasma disparando através do espaço a meio milhão de milhas por hora. As nebulosas planetárias são conchas de gás e poeira arrancadas de uma estrela gigante moribunda. A maioria das nebulosas não são esféricas, mas podem ter múltiplos lóbulos que se estendem de lados opostos— possivelmente gerados por poderosos jatos em erupção da estrela.

Usando o Telescópio Espacial Hubble, os astrônomos descobriram bolhas de plasma que formam alguns desses lóbulos. “Estamos muito entusiasmados com isso”, diz Raghvendra Sahai, um Astrônomo do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA. “Ninguém realmente foi capaz de chegar a um bom argumento do porquê temos nebulosas multipolares “. Sahai e sua equipe descobriram bolhas lançando-se de uma estrela gigante vermelha a 1.200 anos-luz de distância, chamada V Hydrae. O plasma tem 17.000 graus Fahrenheit e abrange 40 unidades astronômicas—aproximadamente a distância entre o Sol e Plutão. As bolhas não entram em erupção continuamente, mas uma vez a cada 8,5 anos.

A almofada de lançamento dessas bolhas, os pesquisadores propõem, ser uma estrela menor, invisível orbitando V Hydrae. A órbita altamente elíptica traz a estrela companheira, através das camadas exteriores da gigante vermelha, mais próxima. A gravidade da companheira puxa o plasma da gigante vermelha. O material se instala em um disco enquanto ele espira para a estrela companheira, cujo campo magnético canaliza o plasma para fora de seus polos, lançando-o no espaço. Isso acontece uma vez por órbita—a cada 8,5 anos—na maior aproximação.

Quando a gigante vermelha esgotar seu combustível, ela vai encolher e ficar muito quente, produzindo radiação ultravioleta que vai excitar a concha de gás soprada fora dela no passado. Essa concha, com cavidades esculpidas nela pelas balas de canhão que continuam a ser lançadas a cada 8,5 anos, se tornarão visíveis como uma bela nebulosa planetária bipolar ou multipolar.

Os astrônomos também descobriram que o disco da companheira parece balançar, lançando as balas de canhão em uma direção durante uma órbita, e um pouco diferente na próxima. Como resultado, em todas as outras órbitas, as bolhas voadoras bloqueiam a luz das estrelas da gigante vermelha, o que explica por que V Hydrae escurece a cada 17 anos. Durante décadas, os astrônomos amadores têm monitorado essa variabilidade, tornando V Hydrae uma das estrelas mais bem estudadas. Porque a estrela dispara o plasma nas mesmas poucas direções repetidamente, as bolhas criariam vários lóbulos na nebulosa—e uma visão bonita para futuros astrônomos.

novembro2016nasa.png
Este gráfico de quatro painéis ilustra como o sistema da estrela binária V Hydrae está lançando bolas de plasma no espaço. Crédito da imagem: NASA/ESA/STScl

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s