Nosso Sistema solar é quase normal, mas não muito.

Por Ethan Siegel

Traduzido por Rodrigo F. Raffa

Era pouco mais de 20 anos atrás que o primeiro exoplaneta¹ foi encontrado e confirmou estar orbitando uma estrela não tão diferente do nosso sol. Avançando para os dias de hoje, bem como o método de oscilação estelar, em que a força gravitacional de um planeta perturba o movimento de uma estrela, passando com sucesso pelo método de trânsito, em que um planeta transita em todo o disco de sua estrela-mãe , bloqueando uma porção da sua luz de uma forma periódica. Graças a esses métodos e Kepler da NASA, nós identificamos muitos milhares de candidatos a planetas , com cerca de 2.000 deles terem sido confirmada, e as suas massas e densidades mensuradas. Os gigantes gasosos encontrados em nosso sistema solar, na verdade, são extremamente típicos: planetas como Júpiter em massa são muito comuns, com menos massa e mais maciças – gigantes ambos extremamente comuns. Saturno (mundo menos denso do nosso sistema solar) é realmente de uma densidade bastante típico para um mundo gigante de gás. Acontece que há muitos planetas lá fora, com densidade menor que a de Saturno. Os mundos rochosos são um pouco mais difíceis de quantificar, porque os nossos métodos e as missões são muito melhores em encontrar planetas de massa maior do que as de baixa massa. No entanto, os planetas de massa menor encontrados são comparáveis a Terra e Vênus, e variam de muito denso para um pouco menos denso. Nós também achamos que nós caímos para a direita no meio da “curva do sino ” para quantos anos os sistemas planetários são : estamos definitivamente típico a esse respeito. Mas há algumas grandes surpresas , o que é dizer que há três maneiras principais de nosso sistema solar é um outlier² entre os planetas que observamos:

  • Todos os planetas do nosso sistema solar são significativamente mais distantes do que a distância média de exoplanetas em torno de suas estrelas. Mais da metade dos planetas que descobrimos estão mais próximos de sua estrela do que Mercúrio está do Sol.Isso pode ser um efeito de seleção já que planetas mais próximos são mais fáceis de encontrar, mas pode indicar um caminho,nossa estrela é incomum: ser desprovido planetas próximos.
  • Todos os oito planetas do nosso Sistema solar são altamente circulares, com o mesmo Marte e Mercúrio excêntrico ter apenas uma pequena porcentagem de desvio de um círculo perfeito . Mas a maioria dos exoplanetas têm excentricidades significativas, o que poderia indicar algo incomum sobre nós.
  • E finalmente, uma das classes mais comuns de exoplanetas (A super Terra ou mini Netuno com 1,5 a 10 vezes a massa da terra) está completamente ausente do nosso sistema solar.
    Até que possamos desenvolver a tecnologia para sondar planetas de pequena massa em distancias ainda maiores em torno de outros sistemas estelares, não saberemos realmente o quão incomum realmente somos.

novembro_nasa
Créditos da Imagem: NASA / Kepler Dan Fabricky (L), de uma seleção dos exoplanetas conhecidos Kepler ; Rebecca G. Martin e Mario Livio (2015) APJ 810 , 105 ( R) , de 287 exoplanetas confirmados relativos aos nossos oito planetas do sistema solar.

¹ – Um exoplaneta (ou planeta extrassolar) é um planeta que orbita uma estrela que não seja o Sol e, desta forma, pertence a um sistema planetário distinto do nosso.
² – Em estatística, outlier, valor aberrante ou valor atípico, é uma observação que apresenta um grande afastamento das demais da série (que está “fora” dela), ou que é inconsistente.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s